segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Albânia: O novo Acre.

Sexta-feira foi um dia bem legal na verdade. Fui pra casa da Lisa que mora aqui perto, fui eu Lulu, Nicola, Johanna, e Nora. Foi muito divertido cara! Nós primeiro fizemos um macarrão OURO, e depois fomos brincar de imagem e ação, e twister. Agora, imagina Isadora, com seu alemão que é praticamente sua língua materna, explicando oq era Mercado Negro: "Sabe tipo quando vc quer vender seu fígado? Poisé, vc vai lá!" :B Bom, depois fomos ver "The Notebook" gente o filme é muito liiiindo cara! PQP! Chorei que nem um bebê é claro, e as mulher (muito alemãs) se entreolhando e pensando "Mas como chora essa menina, né?!" AHAHA ê lerê, rapadura é sweet mas não é soft!
Sábado acordo com a Marina me ligando, CEDO, dizendo que tava vindo pra Düss e que era pra gente se encontrar no centro. Demoro né, me arrumo, DE MANHÃ, e vou pro centro. "Marina, cadê ocê mulher?" "Ahh, não sei, mas eu tô longe, tô na frente da Kaufhof" Tá, se ela tá longe e tá na Kaufhof, vou na Kaufhof mais longe que tem né. Vai Isadora andar 8 quarteirões (quarteirões ALEMÃES, leia-se IMENSOS) encontrar com a mulher. Isso pq a rua tava uma putaria de tão cheia, vem os holandês tudo comprar paradinha natalina aqui, pqp né. "Marina, tô na porta da Kaufhof, CADÊ VOCÊ?" "Também tô na porta ué!" "Não, não tá, vai pro McDonalds da Heinrich Heine que eu te encontro lá" Voooolta Isadora no meio da negada pra encontrar com a Marina. Nos achamos lá, e fomos comprar presentes de natal pra família dela. Depois, viemos pra casa (atrasadas, como sempre) peguei minhas coisas pq ia dormir na casa dela. Pegamos o trem e fomos pra Mülheim onde ela mora. Deu tempo só de deixar minhas coisas e fomos todos pro restaurante pro amigo secreto dela. Ok, o plano era, depois do amigo oculto, irmos pra Essen pra despedida da Larissa em um bar latino, às 9hrs. Só que não foi bem assim que funcionou. 10:30 fomo com a irmã dela pra uma festa no meio do NADA véi. Nunca senti tanto medo de ser estuprada em toda a minha existência. Era a última parada do trem, descemo, vei, era uma casinha minúscula, cabia umas 10 pessoas lá dentro bem espremidas, as janela tavam até embaçadas já, e lógico, que lá dentro só tinha alemão CHAPADO. 11:30 fomos pegar o trem né.. Cadê a p*rra do trem?! Não tiiiiiinha treeeem mano! Chamamos um taxi lá, só que só chegaria meia hora depois. Então tá né, vamo voltar pro antro da perdição.. Nunca ri tanto na minha vida véi, a gente falando com dois alemães "No brasil, a gente não usa sapato, só chinelo! Esses a gente comprou aqui, lá não tem!" Véi... os homem AGACHARAM pra ensinar a Marina a amarrar sapato HAHAHAHAHAHAHA!!!!! Aiai adóóro alemão, principalmente bêbado haha! O pior foi quando a gente falou que a gente tbm não tinha roupa, só biquini HAHAHA eles enlouqueceram hahaha foi legal. Bom, o táxi deixou a gente no meio da rua, e o cara falou que era pra gente esperar o ônibus noturno né. De boa, levemente embriagadas a gente só sambou no meio da rua deserta esperando o busão. Pegamo o ônibus. Tamo conversando com o motorista, ele vem falar "Cês são do Brasil? Ah pq eu sou da Albânia. Vocês sabem onde é a ALBÂNIA né? É o BERÇO da HUMANIDADE! E também a Madre Teresa nasceu lá" Mano, o cara tirou até um mapa pra mostrar a Albânia pra gente (isso pq ele tava DIRIGINDO um ÔNIBUS), desembolou uns Kosovo no meio, porra, ele tava mais loco que a gente. Fomo pra HBF, esperamos um bom tempo pq descobrimos que Ubahn não passava mais naquela hora da noite. Chegamos em Essen mais ou menos 1:30 da manhã. A gente não tinha noção de onde diabos era a festa, mas só sabia que o próximo ônibus só ia pra lá 2:30. Enquanto isso ficamo dando volta pelo centro, fomos perseguidas pelo segurança das casinhas da feira, é, normal. 2:30 tamo esperando o nosso ônibus.. Nada de ônibus, chegam TODOS menos o nosso, o ponto vazio. Pára um táxi na nossa frente, "entra entra, que eu levo vocês" de boa né, nós só temo 10 euros em moeda mas vamo. Tamo conversando com o taxista "Eu sei uma palavra em português! CALABOCA!" HAHAHA chorei! Chegamo na despedida da Larissa às 3. Lógico que só tinha ela, léo, e mais uma mulher muito doida lá. Depois de 15min já tínhamos que ir embora. Aí perde trem na bahnhof, perde ônibus pra ir pra casa, corre corre corre. E enfim, às 5 chegamos em casa destruídas.
Voltei pra casa no domingo, peguei o regional, demoro uma eternidade pra chegar aqui em casa ¬¬' mas valeu muito a pena hahahahahahah!
saudadeeeeeeeeeees de vocêês! mas o trem aqui tá até ficando bão demais sô :)
Beeeeijos!

3 comentários:

Caio Uchôa disse...

essa historia do chinelo ae ja tinha escutado...
e tem frase minha ae nesse post!
ahhaha


gostei dot, bacaninha esse post!
beeeeijos

Mah disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mah disse...

hauhauhauhauahuahuaha adoro gringos burros.
vei, fiquei perdida no meio da historinha, depois vc posta um cronograma e um mapa do itinerário ta? hahaha
temos que fofocar irma!!